LAURO DE FREITAS É REFERÊNCIA EM GESTÃO AMBIENTAL?

Compartilhe a matéria

LAURO DE FREITAS É REFERÊNCIA EM GESTÃO AMBIENTAL?

O Miragem News após a notícia publicada pelo Governo do Estado da Bahia sobre o II Fórum Brasil de Gestão Ambiental realizou uma entrevista com o Conselheiro Eduardo Andrade, Sociólogo, Professor Universitário, Presidente da AMOM, Ambientalista Nato e Idealizador da NOSSA REDE LAURO – União da Sociedade Civil Organizada de Lauro de Freitas.

Segundo Eduardo Andrade o que pesou nessa premiação foi a existência do Conselho – COMPAI todavia os Conselheiros indicados pela sociedade civil organizada estão insatisfeitos com a forma como e COMPAI vem sendo conduzido, afinal o COMPAI ainda não promoveu nenhum resultado concreto para a Cidade. Falta clareza, objetividade e proatividade na condução do COMPAI.

Alguns exemplos:

  1. As convocações para as Ordinárias não são publicizadas com as devidas pautas com antecedência como ocorre em outros Conselhos.
  2. Nenhuma Ata foi disponibilizada para assinatura dos Conselheiros.
  3. O FUMPAI até então não foi instituído.
  4. Reunião Ordinária cancelada sem um motivo pertinente e não foi marcada ainda a reposição.
  5. Novo Regimento do COMPAI que ainda não foi aprovado.
  6. As Câmaras Temáticas que ainda não começaram a funcionar.
  7. O Plano Municipal de Meio Ambiente que contemple a Educação Ambiental que não foi iniciada a elaboração.

Enfim … o COMPAI foi reativado após 9 anos parado depois de protestos da Sociedade Civil Organizada de Lauro, contudo, a forma como está sendo conduzindo está obstacularizando o avanço da Gestão Ambiental em nosso Município.

Além disso que trabalha com a defesa do Meio Ambiente em Lauro atesta que estamos longe de termos uma Gestão Ambiental eficaz. São muitos problemas em todas as áreas ligadas ao Meio Ambiente que não temos visto ações efetivas e resolutivas. Pequenas ações paliativas tem sido feitas. O que se precisa fazer com urgência é começar a praticar o que está previsto na nossa Lei de Gestão Integrada de Meio Ambiente sancionada desde 2009, ou seja uma década, e quais avanços reais tivemos? Fica ai pergunta para cada um examinar em sua consciência.

Portanto esse “prêmio” não condiz com a realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *