Cenário de filme de terror em Ipitanga

Compartilhe a matéria

Imagens: Juno Sardeiro
Texto: Juno Sardeiro


Quem visita a cidade de Lauro de Freitas pela orla, deve ficar assustado ao chegar na praia de Ipitanga. O cenário encontrado é arrasador e mais parece cenário de filme de terror!

Imagens: Juno Sardeiro / Texto: Juno Sardeiro

Ruínas de construções, construções abandonadas, resíduos de todos os tipos espalhados pelas calçadas, falta de iluminação, falta de calçadão e barracas fora de padronização são os agravantes que tornam, o que poderia ser uma boa vinda aos turistas, a imagem do abandono da orla.

Imagens: Juno Sardeiro / Texto: Juno Sardeiro

Esse total descaso já persiste há mais de 3 anos e a gestão pública , mesmo com um projeto de requalificação desse cenário, não o executa.

A cidade perde receita com o afungentamento dos turistas e de empreendimentos que poderiam se instalar no local e em toda a cidade.

Imagens: Juno Sardeiro / Texto: Juno Sardeiro

A praia é lindíssima e ainda tem a balneabilidade própria para banho, diferente das praias de Salvador que é a cidade vizinha. Também é um atrativo para pessoas de todas as idades (crianças, jovens, adultos e terceira idade) devido às piscinas naturais em quase toda sua extensão. Sem falar também que o local é visitado por nossas ilustres tartarugas marinhas que escolheram Ipitanga para fazer sua desova.

Imagens: Juno Sardeiro / Texto: Juno Sardeiro

A comunidade de Ipitanga junto com a AMI Ipitanga ( Amigos e moradores de Ipitanga) já tentaram por diversas vezes que essa requalificacão fosse realizada e saísse do projeto através de reuniões e assembléias com a prefeita. A prefeita disse se tratar de uma orla que ainda não tem sua gestão , pois pertence à Uniao, e por isso precisa da autorização do Juiz federal para autorizar a intervenção no local.

Imagens: Juno Sardeiro / Texto: Juno Sardeiro

Com todo esse “jogo” de pertencimento , quem perde é a população que mora no bairro, a cidade e todos os frequentadores da praia.

Imagens: Juno Sardeiro
Texto: Juno Sardeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *